VOCÊ ESTÁ AQUI:
  • Conflitos entre taxistas e motoristas da Uber cresce em Porto Velho
Conflitos entre taxistas e motoristas da Uber cresce em Porto Velho
  • Fonte: Da Redação
  • Publicada em 12/08/2017 às 11:42
Estima-se que aproximadamente 300 motoristas já estejam cadastrados no aplicativo de “carona remunerada” na cidade. Disputa por passageiros fica acirrada.

O Serviço de Uber começou a ser implantado em Porto Velho há pouco mais de três meses e com a ampliação dos adeptos ao novo meio de conquista de uma remuneração extra os conflitos que envolvem a prestação do serviço aumentam cada vez mais. Estima-se que aproximadamente 300 motoristas já estejam cadastrados no aplicativo de “carona remunerada” na cidade. No Brasil, os dados apontam para 13 milhões de inscritos.

As discussões aumentam a cada dia e os conflitos nas ruas também. Motoristas de Uber afirmam que estão sendo perseguidos pelos taxistas na capital. “Eles ficam nos observando o tempo inteiro, nos seguem até nossas residências e já aconteceram muitas agressões físicas e danos materiais aos motoristas de Uber. Eu já fui agredido e tive um prejuízo de mais de 25 mil reais. Destruíram meu carro e só consegui escapar porque um morador próximo ao local onde fui agredido me acolheu até a polícia chegar”, relatou um cadastrado no aplicativo que não quis se identificar por medo de represálias.

O motorista Ércio, que também trabalha como Uber informou está com o aplicativo há três meses. “Estava desempregado, minha família estava com orçamento apertado e encontrei na Uber uma possibilidade ganhar uma renda para sustentar minha família. Muitos motoristas estavam na mesma condição que eu. A Uber movimentou a economia da cidade e gerou oportunidade de emprego para quem não conseguia se inserir no mercado de trabalho”, explicou.

Ércio relatou ainda que já sofreu uma “emboscada” por parte de taxistas revoltados com a concorrência. “Eles me fecharam em uma rua da cidade, me retiraram do carro e me agrediram com tapas, socos e pontapés. Não sofri só com os danos materiais, mas também danos físicos. Eu registrei um boletim de ocorrência e consegui identificar uma parte dos agressores por conta de uma câmera de vigilância de uma residência localizada na rua que fui atacado. O processo corre em segredo de justiça”.

Outro motorista de Uber que não quis se identificar relatou que já foi agredido por taxistas. “Tenho  três boletins de ocorrência registrados. Fui perseguido e consegui uma medida protetiva contra um deles, que foi preso em flagrante no aeroporto da cidade, por me agredir. Já fui seguido até minha casa e nesses casos já denunciei a polícia. Sofremos muitas ameaças e uma perseguição sem sentido”, falou.

Todos os motoristas citados acima relataram que a empresa prestou suporte jurídico para prosseguir com os encaminhamentos necessários. “Todos os danos físicos sofridos pelos motoristas são cobertos por seguro da empresa e temos o suporte jurídico. Já os danos materiais ficam a cargo do cadastrado”, informou uma atendente da empresa.

Sindicato dos Taxistas

O presidente do Sindicato dos Taxistas, dos Transportes Escolares, Transportes Turísticos e Fretamento do Estado de Rondônia (Sintax), Francisco Ferreira dos Santos, informou que é veementemente proibido aos taxistas este tipo de confronto direto. “Nossos problemas devem ser resolvidos no campo das ideias e das Leis. Temos o Ministério Público do Trabalho ao nosso lado, pois a instituição defende a regulamentação da profissão. Foi determinado pelo Ministério do Trabalho que os representantes da Uber regularizassem sua atividade aqui na cidade, mas até o momento isto não ocorreu”, falou.

Ferreira pontuou ainda que o Sintax não se opõe a regulamentação da Uber. “Não somos contra o serviço de Uber, nós somos contra a concorrência desleal. Nossos serviços são tabelados conforme o índice de preços de produtos de transporte, serviços automotivos e combustível feito pelo Ministério dos Transportes, o que não ocorre com quem trabalha com o aplicativo Uber. Nossos profissionais passam por um processo rigoroso e criterioso para iniciar suas atividades. Nossa frota é nova com carros de alto padrão. Para se ter uma ideia são mais de 20 itens de avaliação para cadastramento de motoristas. Além disso, todos passam por exames médicos, testes psicológicos, devem ter sua habilitação com especificação de serviço remunerado, fazer exame toxicológico, cursos de conhecimento básico de oficina, atendimento ao cliente, ter cadastro no INSS, entre outras exigências que são feitas”.

Atualmente em Porto Velho existem 900 concessões de taxis. “Todos esses profissionais geraram uma receita para a cidade, pagaram seus impostos e fizeram alto investimento para o exercício da profissão. Devemos lembrar ainda que tomamos todo cuidado no cadastro de qualquer motorista. A segurança da população que utiliza esse serviço deve vir em primeiro lugar. E isso não acontece com o aplicativo Uber, pois temos conhecimento de pessoas que não são cadastradas e mesmo assim se identificam como Uber e acabam colocando em risco segurança das pessoas que fazem uso do serviço clandestino”, disse.

Empresa Uber

O escritório do Uber em Porto Velho funciona em uma sala comercial dentro de um hotel. No local, a atendente tira dúvidas a respeito do cadastro e presta orientação para a organização da documentação e sobre a utilziação do aplicativo. Nos casos de emergência os moristas cadastrados na Uber é disponibilizado um telefone 0800 para suporte.

No que tange a segurança, a empresa informa que o motorista não tem acesso aos dados do passgeiro. “É expressamente proibido qualquer tipo de contato fora do aplicativo entre motorista e passageiros. O uso de whatsapp não deve acontecer em hipótese alguma. É somente por meio do aplicativo que podemos assegurar ao cliente sua segurança e a garantia de um serviço dentro dos padrões da Uber”, friou a atendente.

Questionada sobre a legalidade do serviço na cidade a atendente relatou que “o município não deve interferir no serviço prestado pela Uber. Somos amparados por uma Lei Federal que regulamenta nossa atuação. Quando temos ocorrências de amprensão de veículos cadastrados enviamos um advogado para o motorista, que tratará de todas as questões legais. Porém, reiteramos que o suporte jurídico vale para a aprensão por exercer a atividade de Uber. Agora se o motorista teve o carro apreendido por documentação atrasa, ou outras irregularidasdes que fogem da nossa responsabilidade o condutor não tem direito ao atendimento jurídico”.

Semtran

De acordo com o Secretário Municipal de Trânsito, Marden Negrão, a Lei n° 12.587, que rege as diretrizes da Política Nacional de Mobilidade Urbana, a que a empresa se refere para captar os motoristas, não trata da questão de regularização da Uber. “O órgão responsável por regular os serviços de transporte individual de passageiros é a Secretaria Municipal de Trânsito de cada cidade, que estipulam os requisitos mínimos de segurança, de conforto, de higiene, de qualidade dos serviços e de fixação prévia dos valores máximos das tarifas a serem cobradas”, frisou.

O secretario da Semtran informa ainda que com base no artigo 18 da Lei nº 12.587, “é atribuído aos municíopios brasileiros oplanejamento, execução e avaliação das políticas de mobilidade urbana, bem a promoção e a regulamentação dos serviços de transporte urbano, quer seja na modalidade coletiva ou individual”, explicou.  

Negrão enfatizou ainda que a recomentação da Secretaria de Trânsito é a não utilização da Uber pela população. “É uma prestação de serviço clandestina e que não garante a segurança dos usuários. Pedimos a população que utilize apenas os serviços de transporte que são regulaizados. Somente no início deste ano já apreendemos cerca de 190 veículos em situação irregular entre todas as modalidades de serviço de transporte coletivo e individual. A prática da clandestinidade não ocorre somente no serviço de Uber, mas em todas as ofertas de transporte da cidade”, alertou.

O Secretário complementa ainda que a Semtran não é contra a ampliação as ofertas de serviços de transporte na cidade. “Toda tecnologia é bem vinda, porém a falta de regularização dos serviços não pode ocorrer. Somente a com a regulamentação ser´apossivel assegurar a qualidade, segurança e fixação de uma tabela de preço justa”, disse.

Cadastro Uber

Para efetivar o cadastro do Uber o morotista interessado deve sergui três etapas: a primiera consiste enviar uma foto da CNH (permanente) com a observação "Exerce atividade remunerada"; na segunda é feita uma verificação de segurança (o processo leva cerca de 7 dias); e por fim, se aprovado, é finalizado o cadastro e o motorista já pode começar a trabalhar.

 

  • Atualizada em 14/08/2017 às 08:35:25