VOCÊ ESTÁ AQUI:
  • Homenagem ao historiador, Emmanoel Gomes
Homenagem ao historiador, Emmanoel Gomes
  • Fonte: Redação ORondoniense - Aurimar Lima
  • Publicada em 03/02/2018 às 14:14
Percival Farquhar “ O dono do Brasil” - No artigo publicado em um site rondoniense o estudioso disse que a figura emblemática representava o capitalismo espoliativo do início do século XX

Emmanoel Gomes era mais um academico de História apaixonado por Rondônia, depois de formado na turma de 1.994 pela Universidade Federal de Rondônia, iniciou a missão de resgata a história de nosso povo. Uma visão bem diferenciada dos memorialistas, mas que ao procurar os paradoxos, incomodava, e trazia consigo uma das funções do historiador, o pesquisador sistêmico, o ato de preservar a história de um povo para que o real dos aspectos sociais e economicos não seja deturpado no presente e tragar sérios erros para o futuro.

Todo historiador preocupado em desmisticar fatos memoráveis carrega consigo a polêmica, mas isso não quer dizer que o trabalho seja desfazer a memória, mas sim preservar o contexto para que a historiografia possa realizar o papel de análise. Emmanoel faleceu no dia 16 de setembro de 2014, aos 46 anos de idade,  antes de concretizar seu objetivo, preparou uma carta e a entregou ao caseiro, pedindo-o para que fosse entregue a um amigo, Paulo de Assis Pereira. Ele foi morto com um tiro no peito em uma fazenda localizada a 55 quilômetros de Vilhena – Rondônia.

Emmanoel Gomes da Silva era professor, historiador e membro da academia vilhenense de letras. Atuou em escolas, cursinhos pré-vestibulares, em Vilhena trabalhava na Secretaria Regional do Tribunal de Contas do Estado, poeta, palestrante e autor de vários livros sobre a História de Rondônia, um deles específico para o vestibular e dois para crianças.

Percival Farquhar

Em um artigo publicado no site ariquemesonline no dia 30 de Julho de 2012, o historiador declara que Farquhar era o dono do Brasil.  Para ele Percival Farquhar representava o capitalismo espoliativo do início do século XX, e, como tal, não possuía qualquer compromisso com o real desenvolvimento de nossa pátria. Seus interesses pessoais produziram sérios problemas para o Brasil.

SEGUE ARTIGO:

Farquhar o dono do Brasil: artigo inédito do Historiador Emmanoel Gomes

Percival Farquhar foi o principal representante do imperialismo Americano no Brasil. Atuava em grandes empreendimentos como: Portos, Empresas de Navegação, e Madeireiras. Para se ter idéia, Percival Farquhar foi um dos grandes responsáveis por parte da destruição ambiental da Mata Atlântica no sul e sudeste do Brasil, quando no início do século XX, instalou lá uma das maiores serrarias da América do Sul, gerando conflitos terríveis como a Guerra do Contestado 1912-1916, que veio a vitimar mais de trinta mil sertanejos. A guerra do Contestado tornou-se ao lado da guerra de canudos em um dos maiores massacres registrados em nossa história.

Percival Farquhar representava o capitalismo espoliativo do início do século XX, e, como tal, não possuía qualquer compromisso com o real desenvolvimento de nossa pátria. Seus interesses pessoais produziram sérios problemas para o Brasil.

Percival Farquhar

Farquhar ambicionava as riquezas existentes nessa extensa região, desde minérios presentes em solo boliviano, como a possibilidade de extração dos ricos produtos presentes nos vales dos rios Madeira, Mamoré e Guaporé. Sabia da necessidade de se montar uma grande estrutura para viabilizar seus planos imperialistas.

Informado das iniciativas e insucessos anteriores, contratou a empreiteira norte americana, May Jekill and Randolph. A mesma se instalou por orientação do relatório produzido pelo engenheiro Carlos Morsing que estudou a região em 1883, sete quilômetros abaixo de Santo Antônio das Cachoeiras.

Com essa medida, a localidade de Santo Antônio, foi condenada ao abandono, pois, com a mudança do ponto inicial de Santo Antônio das Cachoeiras para o Porto Velho dos Militares, a antiga vila, fundada em 1728, pelo jesuíta João Sampaio, foi declinando. Hoje poucas marcas restam daquele período.

Uma polêmica foi instalada quando da comemoração do centenário de Porto Velho em 2007, pois o professor Antônio Cândido, profundo conhecedor da história de nossa capital, trousse a tona novas informações sobre as origens da construção da Estrada de Ferro Madeira Mamoré em nossa capital.

Segundos os estudos, efetuados pelo escritor Antônio Cândido, baseado em ampla pesquisa bibliográfica e documental, aponta que o início das obras da Estrada de Ferro Madeira Mamoré, em Porto Velho, se deu em 1908. Tive a preocupação de ouvir e analisar atentamente as argumentações e documentos apresentados pelo professor Cândido, bem como procurei dialogar com outros escritores, e acabei por me convencer de sua tese.

Porto Velho, como um povoado que surge tatuado na ferrovia Madeira Mamoré, tem, portanto, sua origem no inicio de 1908. Qualquer obra férrea anterior se deu na localidade de Santo Antônio das Cachoeiras.

Vamos citar um artigo escrito pelo engenheiro Joaquim Catramby, para a Revista do Clube de Engenharia do Rio de Janeiro, que me foi cedido pelo professor Cândido.

Devemos lembrar que Joaquim Catramby, foi quem venceu a licitação para construir a ferrovia Madeira Mamoré. A afirmativa é de alguém que estava completamente envolvido na questão, um dos responsáveis pela execução da obra, ao lado de Percival Farquhar, Joaquim Catramby foi um dos principais atores políticos da epopéia Madeira Mamoré.

“Se a estrada tivesse tido o seu ponto inicial em Santo Antônio, ter-se-ia podido contar o quarto desastre da Madeira Mamoré. Levado por essa convicção, e apesar do Tratado de Petrópolis determinar taxativamente que esse fosse o ponto de partida da estrada, procurei o então Ministro de Indústria, Viação e obras Públicas, Doutor Miguel Calmon, a quem expus as vantagens que me levaram a pugnar pela idéia de se dar começo a estrada em Porto Velho. Manifestando-se de acordo com essa idéia, o Ministro aprovou, pelo aviso n°2, de 16 de janeiro de 1908, a preferência dada a essa localidade para início das obras da via férrea.”

Com essa informação acredito que ficam sanadas as dúvidas sobre tal fato, já que as informações que dão conta da construção em 2007 são bem posteriores ao referido documento.

A cidade de Porto Velho foi surgindo aos poucos, à medida que a construção da ferrovia foi recebendo os investimentos.

É preciso ressaltar que a ação imperialista de Percival Farquhar na região foi um dos grandes empreendimentos comerciais do inicio do século XX, não se tratando unicamente da construção de uma ferrovia, e sim de um grande conglomerado empresarial composto por Companhia Portuária, Companhia de Navegação, Serraria, Fábrica de Gelo, Fabrica de Biscoito, Vastos Seringais Moradia Para Trabalhadores, Oficinas, Hospital, etc.

Esse empreendimento deu origem a várias localidades e impulsionou outras que estavam abandonadas. Podemos citar como resultantes deste processo empresarial o surgimento ou desenvolvimento dos seguintes lugares: Porto Velho, Jaci Paraná, Vila Murtinho e Guajará Mirim.

As obras sempre foram marcadas por problemas, pois a região possuía um terrível histórico negativo. É só lembrarmos as iniciativas anteriores. Com esse quadro complicado, a nova iniciativa precisou exportar trabalhadores de várias nações do mundo para formar a mão-de-obra na construção da Ferrovia, e, conseqüentemente, nossa cidade.

Porto Velho, já nasceu poliglota. Pessoas vindas de várias nacionalidades, aqui praticavam sua língua. Heterogênea, os trabalhadores, possuindo origens diferentes, adotavam seus modelos culturais, inclusive a religião. Multirracial, os novos operários possuíam origens diversas, eram: Negros, Europeus, Índios, Asiáticos etc. Globalizada, os cinco continentes estavam representados na região, e, na economia, se utilizava a moeda Inglesa, a libra esterlina como uma espécie de matriz, por ter a melhor cotação no cenário capitalista internacional da época.

Na tentativa de combater as várias doenças que assolavam a região, como a malária, que é transmitida pelo mosquito anofelino, e amenizar o drama sofrido pelos trabalhadores que eram também acometidos por outras doenças tropicais, foi construída no quilômetro 02, bem próximo do ponto inicial da Ferrovia em Porto Velho, uma unidade hospitalar denominada, Hospital da Candelária.

Em 1910, Oswaldo Cruz visitou as obras da Ferrovia Madeira Mamoré, acompanhado pelo médico Belizário Pena, para desenvolver um plano de combate às epidemias que assolavam a região e assim contribuir com o andamento das obras da Estrada de Ferro Madeira Mamoré. O resultado desta viagem foi um plano de profilaxia da doença, do qual constava a utilização de mosquiteiros e a aplicação compulsória de quinino junto aos trabalhadores. Essa unidade hospitalar foi estruturada com o objetivo de atender as necessidades da época. Porém, não foi suficientemente capaz de resolver os problemas e dramas vividos pelos trabalhadores da ferrovia, não obstante a presença de vários médicos especializados em doenças tropicais. Estes médicos que já haviam atuado em outras localidades inóspitas no mundo, constataram que nenhum outro lugar se comparava à nossa região.

Uma grande quantidade de trabalhadores negros foram recrutados e trazidos para cá. Eram de várias localidades como, Guianas, Granada, Jamaica e Ilha de Barbados, entre outras. Ficaram conhecidos como barbadianos, apesar de nem todos, serem provenientes da Ilha de Barbados. É mais coerente defini-los como antilhanos. “Acreditava-se” e divulgavam no período, que os negros eram mais resistentes ao calor e a malária. Nada comprovado, visto que milhares de trabalhadores independentes da cor morreram vitimados pela malária e outras doenças. A idéia de que o negro era mais resistente, na verdade foi mais um golpe contra o povo negro, que, ao longo da história do Brasil, foi vítima de muitas ações racistas, muitas delas “veladas”. Essa postura maltratou um povo que tem na sua história uma contribuição fantástica com a construção do nosso país.

A maior parte da riqueza produzida historicamente no Brasil foi resultado do trabalho do povo negro. A eles devemos muito.  

  • Atualizada em 03/02/2018 às 14:20:45