VOCÊ ESTÁ AQUI:
  • Secretário critica em rede social Município, Consórcio e dá soluções ao transporte público
Secretário critica em rede social Município, Consórcio e dá soluções ao transporte público
  • Fonte: Da Redação - Foto: Google Imagens
  • Publicada em 14/02/2018 às 10:02
Ele disse que o SIM está operando sem concessão de serviço, e que a “falta de sensibilidade” do município tem afetado e afetará as pessoas mais carentes.

O secretário titula da Semtran (Secretaria Municipal de Trânsito) de Porto Velho, Carlos Henrique da Costa, divulgou na sua página do Facebook um longo texto sobre o transporte público da capital, onde faz uma espécie de “mea culpa” do município e tece críticas tanto ao consórcio quanto a morosidade da licitação que deve decidir a concessão de serviço a ser prestado a população no transporte coletivo “agonizante”.

Carlos Henrique aponta em seu texto que a empresa, Consórcio SIM, está operando atualmente sob uma “Autorização Precária”, sem concessão de serviço e que a “falta de sensibilidade” do município tem afetado e afetará as pessoas mais carentes e que dependem do serviço. Sobre isso o secretário diz que essas pessoas são obrigadas a buscar alternativas para que possam se locomover a grandes distâncias, usando desde motocicleta, aplicativos e o táxi compartilhado, e que ao invés de melhorar mostram as falhas do transporte público local.

Carlos reclama: “(...)  O que temos feito neste momento é Realmente paliativo, com resultado quase inócuo, mas estamos agindo dentro do intuito de buscar a melhoria possível neste momento. Sou consciente de minhas limitações, não tenho saída mágica, porém entre ver a agonia da população tendo que conviver diariamente com casos como da linha Areal via HB, que espera nos pontos de origem por absurdas 2 horas e 20 minutos resolvi agir.”

Para tentar amenizar ou melhorar de vez o sistema de transporte público em Porto Velho, Carlos Alberto disse muitas ações foram estudadas e pesquisadas pela equipe da secretaria e chegou a seis tópicos que podem resolver o problema, são eles:

1. Racionalização das linhas.

2. Criação do Expresso Central

3. Expansão dos pontos de recarga

4. Fim da cobrança pelo cartão cidadão

5. Criação de Pontos para facilitar a integração (Miniterminal)

6. Criação do Mapa Troncal com as principais linhas e Pontos de Integração

Abaixo, na nota na íntegra Carlos Alberto explica cada um desses tópicos como medidas que podem melhorar muito o transporte coletivo e fazer uma projeção otimista nesse setor tão castigado para a população.

A grande solução que o secretário otimiza e aguarda é a licitação com concessão a longo prazo, que, segundo ele, poderá ser cumprida ainda nesse primeiro semestre já com o lançamento do edital, que tem rito próprio e dependia de ajustes após análise do Tribunal de Contas do Estado de Rondônia.

Confira abaixo o texto na íntegra:

 

 

O Transporte Coletivo em Porto Velho Agonizante é o termo mais adequado para descrever a situação atual, pela qual passa o transporte coletivo em Porto Velho . A empresa que opera o sistema, Consórcio SIM, opera mediante uma Autorização Precária, ou seja não tem a concessão do serviço. A resposta para solucionar o sistema de transporte coletivo passa pela licitação do mesmo.

Tarefa das mais complexas, não enfrentada e solucionada nos governos anteriores pelo grau de dificuldade. Seremos chamados a fazer escolhas neste assunto tão importante para a população.

A falta de sensibilidade do município com este tema tem afetado e afetará sobretudo os que mais dependem do serviço, a população mais carente. Até agora foi sendo ignorado o que vem ocorrendo, a população obrigada a fazer alternativas para o transporte, uso excessivo de motocicleta, outros modais como os aplicativos e recentemente táxi compartilhado. Estas alternativas prejudicam mais o sistema ao invés de melhorar.

O que temos feito neste momento é Realmente paliativo, com resultado quase inócuo, mas estamos agindo dentro do intuito de buscar a melhoria possível neste momento.

Sou consciente de minhas limitações, não tenho saída mágica, porém entre ver a agonia da população tendo que conviver diariamente com casos como da linha Areal via HB, que espera nos pontos de origem por absurdas 2 horas e 20 minutos resolvi agir.

Todas as ações foram estudadas pela equipe da SEMTRAN e baseada nos estudos que foram feitos no município em anos anteriores e não colocados em prática.

1. Racionalização das linhas. 2. Criação do Expresso Central 3. Expansão dos pontos de recarga 4. Fim da cobrança pelo cartão cidadão 5. Criação de Pontos para facilitar a integração (Miniterminal) 6. Criação do Mapa Troncal com as principais linhas e Pontos de Integração

1. Racionalização das linhas: Mesmo tendo sido apontado nos estudos de 2010 e 2013 a necessidade de mudança, nada foi feito, as linhas se sobrepõe em muitos casos, são ineficientes nos bairros onde está a maior demanda, número excessivo de linhas indo até o terminal HB. Diante deste cenário aterrador e muitas das vezes caótico estamos revendo algumas linhas, fazendo com que haja mais integração para que os ônibus tenham mais frequência nos bairros. No caso da linha Areal vamos diminuir para frequência para 30 a 40 minutos nos pontos de origem. No caso do Ponto de Integração (Miniterminal) da Jorge Teixeira farão integração ali apenas 4 Linhas. Outros Miniterminais estão em estudo.

2. Criação do Expresso Central: Criado para dar celeridade nos deslocamentos pela região Central da Cidade vai do Ponto de Integração (Miniterminal) da Jorge Teixeira até o terminal HB POC, retorna pela Av Costa e Silva , passa na Av Farquar passando pelo CPA, contorna o prédio do Relógio sobe pela 7 de Setembro em seguida Nações, entra pela Amazonas e volta ao Miniterminal da Jorge Teixeira. Com 4 ônibus esta linha passará a cada 10 minutos fazendo a integração com todas as demais linhas do sistema.

3. Expansão dos pontos de recarga: Quando assumi tínhamos apenas um único ponto de recarga fixo, situado na Av Carlos Gomes, funcionando em horário comercial. Iniciamos fevereiro com mais 15 novos pontos de recarga, situados nos bairros onde a população mais necessita, atendendo nos finais de semana e feriados, proporcionando comodiade e economia de tempo para a população, como ganho extra fomentando a economia dos bairros. Em março serão 30 pontos, que ficam em mercados e pequenos comércios nos bairros.

4. Fim da cobrança pelo cartão cidadão: Ao assumir se cobrava pelo cartão o valor de 3 Tarifas, ou seja R$11,40, hoje ao fazer a primeira recarga no valor de R$22,00 não há cobrança pelo cartão, especialmente neste mês de fevereiro em função das mudanças basta fazer qualquer valor de recarga que o cartão não tem custo.

5. Criação de Pontos para facilitar a integração (Miniterminal): O objetivo como dito anteriormente é fazer com que o ônibus aumente a frequência nos bairros onde está a maior demanda da população, estão em estudo mais dois pontos, na Zona Sul e Zona Leste.

6. Criação do Mapa Troncal com as principais linhas: Tem por objetivo melhorar a comunicação com a população, pois no Mapa Troncal será possível identificar as principais linhas, a partir desta definição as linhas terão cores diferenciadas, Ex Expresso Central é Rosa, também com o objetivo de melhorar a comunicação.

Não tenho a pretensão de solucionar todos os problemas do Transporte Coletivo com essas simples ações, mas de acordo com a equipe da SEMTRAN, estas mudanças vão amenizar a situação atual quanto ao Transporte Coletivo em Porto Velho. O desafio é gigantesco, mas nossa determinação de acertar também é.

Solução definitiva? Licitação com concessão a longo prazo. Neste ponto o que posso adiantar é que faremos ainda no primeiro semestre o lançamento do edital, que tem rito próprio. Agradeço pela oportunidade e me coloco à disposição.

  • Atualizada em 14/02/2018 às 10:34:38